09jul17 Argentina Viagens

Bariloche – A primeira vez que eu vi a neve

Quando decidi ir a Bariloche em junho desse ano, eu queria basicamente duas coisas: Uma, descansar a cabeça e o corpo após ter passado pelo período mais difícil da minha vida. Outra, uma viagem que não fosse tão cara quanto ir para a Europa (a passagem seria mais barata e eu poderia ficar menos dias, o que no final sairia mais em conta).

Queria uma viagem que eu pudesse ficar contemplando a natureza, “ver montanha e lago”, sem ter a obrigação de sair para conhecer esse ou aquele lugar. Por isso, o hotel tinha que ter uma vista bonita e ser confortável. 

Na varanda do hotel Nido del Condor.

Eu fui a Bariloche pela primeira vez com meus pais quando tinha 13 anos, e não cheguei a ver a neve cair. Lembro que subi num teleférico com minha irmã para tentar ver um pouco de neve, mas conseguimos apenas um pouco de gelo no chão e passar mal do frio sem a roupa adequada. Descemos segundos depois hehe.

Quando você “vive” a neve de fato pela primeira vez é uma emoção indescritível. Não sei dizer o que eu senti quando o avião pousou no aeroporto de Bariloche e eu vi todo aquele branco nas laterais da pista e nos telhados das casas. Meu nariz doía do frio de -4° C e ao mesmo tempo eu não conseguia conter meu encantamento.

O frio intenso tem cheiro. Não sei explicar. Saí do aeroporto e fiz questão de pisar naquele gelinho triturado todo branco! Senti como se meu coração estivesse ganhando um afago, como se eu pudesse sorrir novamente. E, enfim, depois de tanto tempo, eu sorri. 🙂

Confesso que não pesquisei muita coisa para essa viagem, não fiz roteiros nem marquei tantos lugares no google maps como costumo fazer antes das viagens.

Por isso mesmo também dei alguns “moles”, como querer almoçar em restaurante que só abria para jantar e ficar sem internet porque só lembrei de comprar um chip poucos dias antes da chegada… A internet fez muita falta, apesar da intenção de ficar desconectada. 

Bariloche em Junho – Mas tem neve?

Nos cerros, geralmente sim. (Cerro Catedral)

E se você der MUITA sorte, na cidade também. 🙂 (Hotel Nido del Condor)

Sei que todo mundo que decide viajar em junho (ou em outro período considerado média temporada) fica nessa ansiedade pra saber se verá ou não neve, mas essa é uma pergunta sem resposta.

Eu tive a sorte de ver neve na cidade assim que cheguei, mas isso não é garantido. Em geral, se você quer ver muita neve, o ideal é ir na segunda quinzena de julho. Mas não é possível prever se a neve cairá antecipadamente, ou até quando ela se estenderá, ou exatamente quando ela vai começar a cair. Na natureza ninguém manda, certo?

Se sua intenção não for esquiar, se for apenas ver a neve (nem que seja só pra fazer rolinho de tapioca no chão pisar na neve), dá para aproveitar os preços mais baixos dos hotéis e a cidade menos cheia e ir na média temporada. 😉

Minha irmã gêmea não tem maturidade.

A neve começa a cair nos cerros antes de abrir a temporada de inverno, só que ainda não cai em quantidade suficiente para abrir as atividades como ski ou skibunda (meu caso seria esse último mesmo, quem já tá no chão do chão não passa né?!).

  • Uma dica legal é conferir no site do Cerro Catedral como está a previsão. Você consegue ter acesso a câmeras mostrando em tempo real como está a neve no local.

Vamos falar sobre o frio – Com que roupa eu vou?

Meu desespero começou a bater quando eu ainda no Brasil fui dar uma olhada na previsão do tempo e vi que pegaria temperaturas negativas. Cheguei a dar um print da tela do celular com previsão de -21 C (!!!) e mandei para uma amiga com vários emoticons de choro rs.

  • A verdade é que cada site de previsão do tempo que você olhar vai te mostrar uma temperatura diferente, então pra saber mesmo só quando chegar lá. Mas dá sim para ter uma noção.

Comecei a ter muitas dúvidas sobre roupas, inclusive fiquei meio chateada porque não tinha o necessário para passar tanto frio e não queria gastar com isso. Não sabia se ia nevar na cidade, se só iria nevar nos cerros, se eu precisava de roupa especial apenas para subir nos cerros, e todo o dilema começou.

A neve embelezando ainda mais o Hotel Nido del Condor.

Descobri que eu precisava sim de roupas especiais, principalmente para subir nos cerros. Dois amigos me deram a dica de uma loja que fica na Barra da Tijuca aqui no Rio que é a Decathlon. Essa loja me salvou, porque os preços são bem em conta e tem tudo que você precisa para não virar pinguim (dá para comprar pelo site, mas fica difícil saber qual tamanho escolher).

Acabei comprando o básico para ser feliz na viagem: roupa térmica, luva impermeável, bota, calça e casaco também impermeáveis (o casaco eu comprei um desses de pena de ganso que não fica tão bonecão do posto), gola para usar no pescoço e tapar o nariz (quando sentisse que ele iria necrosar) e gorrinhos (comprei 2 e foi bom porque acabei perdendo 1 lá). 

Se você não vai esquiar, não há necessidade da calça para ski, uma calça impermeável resolve.  Já adianto que você vai ter que experimentar muitos modelos, pois a maioria dessas calças veste muito mal. É desanimador. Você entra na cabine e não consegue acreditar no que vê no espelho hahaha… Mas eu peguei 3 dias seguidos de chuva em Bariloche (sim, São Pedro fez isso comigo) e essa calça me salvou! 

Aliás, uma boa opção para os dias chuvosos são as famosas lojas de chocolate que ficam no centro de Bariloche. Dá para sentar e tomar um café no quentinho. 😉

Umas das lojas mais famosas de chocolate, a Mamuschka. 

Alugar ou comprar roupas de neve?

Eu preferi comprar, mas há quem prefira alugar. Em termos de valor, talvez saia mais barato alugar, só que você perde tempo provando roupa e depois ainda tem que ir lá devolver. Lembra da situação na cabine da Decathlon? Imagina perder seu tempo com isso durante a viagem… 

Na real, achei que valeu a pena comprar, porque também vou usar as peças em outras ocasiões. Mas é algo que você vai ter que pesar.

  • Não é toda loja que permite o aluguel apenas de uma peça, como só a bota, por exemplo. Algumas pedem que você deixe um documento de identidade, não é a cópia, mas o documento original! Achei muito louco isso.

Outra perda de tempo é ter que lavar o carro um dia antes de devolvê-lo no aeroporto, mas no nosso caso não deu para evitar. 

Viajando por conta própria – aluguel de carro e internet

Em primeiro lugar, eu quase sempre acho que viajar por conta própria é a melhor opção. Fazer tudo no seu tempo te traz inúmeras vantagens, como terminar um passeio no dia seguinte porque começou a chover, ou porque você ficou com dor de cabeça, ou está muito cansado para aproveitar da melhor forma. 

O Circuito Chico, por exemplo, é um passeio turístico que engloba Cerro Campanário, Punto Panoramico e o Hotel Llao Llao. Nós fizemos o Campanário num dia, o mirante no outro e o Llao Llao deixamos para outro dia porque começou a chover. Não tem a mesma graça fazer um passeio com vistas lindas se o tempo está ruim.

Cerro Campanário. Para mim, o cerro mais bonito.

Fiquei com pena de um casal que havia fechado visita numa ilha num dia que estava chovendo horrores e fazendo 0 graus. Era muito cedo, e eles ainda acabaram se molhando porque o ponto de encontro não era no hotel deles… Já não considero isso turismo, e sim martírio hehe.

Certamente, se você quiser fazer tudo por conta própria e não alugar carro, vai precisar fazer uma pesquisa mais a fundo sobre como voltar dos cerros de táxi ou remis. Confesso que não sei essa resposta. 

  • Só não aconselho andar de ônibus no inverno, porque imagina ficar esperando no ponto a um frio de 0 graus com vento (e às vezes chuva).

A foto é dentro do carro, mas eu só queria mostrar minha polaina. 😛

Se você decidir alugar um carro, minha dica é pesquisar bem a empresa de aluguel dos veículos. A empresa que escolhemos não tinha stand no aeroporto, que é muito pequeno. Quando chegamos tinha um funcionário levantando uma plaquinha com nosso nome.

Mas o principal é tentar alugar um carro bom. Mais seguro para andar pela cidade e você tem menos chances de ter que arcar com algum prejuízo no final da viagem. O barato no nosso caso saiu caro (3.000 pesos para consertar a fechadura do porta malas que abrimos uma única vez). Por isso, também não esqueça de fechar um seguro.

Parar o carro nas ruas do centro é uma odisseia. Você tem 2 opções:

  1. Procurar uma lojinha que tenha o adesivo colado no vidro sobre pagamento de estacionamento. Essas lojas geralmente vendem chocolates tentadores e batatinhas lays.
  2. Você também pode achar o funcionário responsável pela cobrança no meio da rua. Só que eles são meio mestre dos magos. E às vezes tá chovendo e sua cabeça doendo e você só quer achar a sua mãe haha.
  • Mas nunca deixe de pagar, porque eles colocam um papel no vidro do seu carro e você tem apenas 10 minutos para pagar o estacionamento sem multa. 

Não achei o centro de Bariloche muito interessante. Mas é lógico que você vai querer conhecer. 😉 

Centro de Bariloche.

Outra coisa que considero essencial é fechar um plano de internet antes de ir. O mapa de Bariloche é muito desatualizado. Não faz diferença usar o google maps, waze ou qualquer outro programa de gps, em algum momento você vai se perder. Vai por mim! Ficar desconectado às vezes é bom, mas ter internet no perrengue é melhor.

Nossa ideia sem ter um plano de dados era usar o wifi do aeroporto, hotel e alguns restaurantes para o gps fazer os caminhos que queríamos. Só que o gps errou o destino várias vezes.  Já na chegada, o gps nos encaminhou para o mato ao invés do hotel. A sorte é que eu tinha “caminhado” um pouco pelo street view (ainda no Brasil) e sabia mais ou menos onde ele ficava de fato!

Falando em hotel…

Vista do Hotel Charming com o sol batendo nos pinheiros.

Como o forte dessa viagem são as vistas bonitas, escolher um hotel próximo ao lago rende lindos momentos. Os melhores hotéis ficam na beira do lago, e não no centro (assim como os melhores restaurantes), e certamente não seria um item que eu economizaria. A imagem mais bonita da cidade que guardei comigo foi a vista do hotel Charming que tive o prazer de me hospedar.

Lógico que os hotéis merecem um post exclusivo (sim, os hotéis no plural, porque se eu podia ficar em 2, para que escolher 1? 😛 ) e também os restaurantes e passeios aos Cerros e, claro, o famoso Circuito Chico.

Enquanto o próximo post não sai, aproveita para curtir mais fotos da viagem no Instagram. 😉 E já aviso que vou ficar repetitiva, porque fiquei completamente fascinada por essa paisagem. 

Não tem como não se apaixonar…

Vai ter muita neve, vai ter muito floquinho, e como não poderia ser diferente aqui, vai ter muito amor! ♥

 

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

postado com por

17 comentários

veja também esses posts relacionados:

Comente com o Facebook

Deixe seu comentário

17 Comentários

  • Heloisa
    23 jul 2017

    Oi Fla!

    “Minha irmã gêmea não tem maturidade”
    kkkkkkkkkkkkkk…..

    Demais você!
    Quanta saudade!

    Não conheço a neve mas tenho muita vontade.
    Aguardando todos os posts dessa viagem. Bariloche é um lugar que quero muito conhecer.

    Bjs!

    • Flávia March
      23 jul 2017

      Hahaha Helô, a neve é a coisa mais linda desse mundo! Não tem como não virar criança de novo! A forma que cai o floquinho parece de mentira…

      Eu ainda vou voltar a Bariloche, gostei muito mesmo! Adorei ver vc aqui! Saudades tb!!
      Bjs!

  • Luciana
    18 jul 2017

    Flavinhaaaa,

    Seu post está ótimo!!! Muito recheado de dicas!! As fotos também estão maravilhosas. Quero saber das comidinhas agora, hehe. Vou ficar aguardando tá?!!

    Ah, adorei sua “irmã gêmea imatura” hahahaha.
    Beijos, Lu

    • Flávia March
      18 jul 2017

      Que bom que gostou das dicas!! 🙂 Tô terminando o post das comidinhas, já já está no ar!
      Minha irmã gêmea podia trabalhar as fotos do post pra mim, né? kkk
      Beijos!!

  • Mary March
    10 jul 2017

    Filha,como sempre seu post está dez!Amo Bariloche!Se Deus quiser irei novamente.Amo frio e adoro ver a neve!Aguardando o seu proximo post!Bjo grande!

    • Flávia March
      11 jul 2017

      Também amei, não imaginei que fosse tão bonito na neve!
      Depois de um tempo vou querer ir novamente, aí vamos juntas, tá?! 😉 😀
      Beijo!!!

  • Virgínia
    10 jul 2017

    Que delícia essa viagem que você nos proporciona. Ficaram lindas as fotos…as dicas… maravilha. Gostei Muito da foto da sua irmã gêmea,nossa como é igualzinha,linda como você 😊. Amei!!!!

    • Flávia March
      11 jul 2017

      hahaha gostou da minha irmã gêmea, né?! 😀
      Minha linda, obrigada pelo comentário, amei ver você aqui no blog!
      Tenho mais fotos lindas para mostrar! 😀
      Beijos!!!

  • Bruno Luiz
    10 jul 2017

    Flavinha… Ficou muito dez o post… As fotos, então, nem se fale, principalmente a do cerro Campanário… Quanto a aluguel de carro, é sempre uma caixa de surpresas alugar por essas locadoras pequenas.. Eu não alugo mais, agora só as grandes. Tive um problema no Uruguai e quase perdi o voo.

    • Flávia March
      10 jul 2017

      Obrigada, Bruno! O Cerro Campanário é muito lindo e já estou ansiosa para escrever sobre ele.
      E também não alugo mais por locadoras pequenas, mas pelo menos a gente aprendeu!
      Volte sempre! 😀

  • Rodrigo March
    10 jul 2017

    ansioso pelos próximos posts!

    • Flávia March
      10 jul 2017

      Ebaa, eu também!
      😉

  • Thaís Thomazini
    10 jul 2017

    Primeiro, adorei que você teve seu tempo para distrair e arejar a cabeça, fez muito bem!

    Que lugar lindo, heim?! Algumas pessoas pensam que lugar bonito é só quando tem praia, sol e biquíni, mas não, essa neve toda faz nossos olhos brilharem!

    Adorei as fotos e o bom humor no texto, você é ótima! ´
    Sucesso no novo post!

    • Flávia March
      10 jul 2017

      Ah, você é uma querida mesmo! Muito obrigada! Escrever realmente me faz muito bem… 🙂
      Eu sou suspeita para falar, mas realmente essa paisagem com neve mexe comigo, ainda mais porque não temos isso aqui, né?
      O próximo post vai sair em breve! 😉
      Bjks

  • Renata March
    10 jul 2017

    Amo Bariloche! É um lugar que reúne tudo o que eu mais gosto… Paisagens de tirar o fôlego, frio, boa comida e possibilidade de ver neve! Aguardando ansiosa os próximos posts! 😃❄⛄

    • Flávia March
      10 jul 2017

      Bariloche superou minhas expectativas, quem sabe não voltamos juntas um dia?! ❄️❄️❄️ O próximo post não vai demorar! 😊 Bjs!!

  • Felipe Del Rei
    09 jul 2017

    Genteeeeeeee!!!
    A gastronomia e a paisagem são as melhores partes, hehehehe.
    \o/

    • Flávia March
      09 jul 2017

      Siiiimmm hehehe. O próximo post será dos restaurantes! 😀